A amamentação é um processo natural e fisiológico que traz benefícios tanto à mãe como para o recém-nascido. O leite materno, rico nutricionalmente, é fundamental nos primeiros dias após o nascimento do bebé. Segundo o comité português para a UNICEF, a mãe deve dar de mamar, no mínimo, até aos seis meses de vida do lactente, pois o leite materno tem nutrientes que vão fortalecer o desenvolvimento cerebral e imunológico, e prevenir problemas digestivos, respiratórios e renais.7

O leite materno é importante porque tem a capacidade de se adaptar ao longo dos 6 meses e moldar-se ao crescimento do bebé, satisfazendo as necessidades dele.

 

Fases do Leite Materno

Existem 3 fases: Colostro, o leite de transição e o leite maduro.8

 

Colostro

O colostro é a primeira secreção mamária, dura em média uma semana e o seu aspeto é espesso e amarelado. Esta é a fase em que o seu bebé está mais frágil e precisa de um alimento rico em proteínas, nutrientes e minerais como o magnésio, cobre e zinco. É também de fácil digestão para proteger o tubo digestivo do recém-nascido e tem um efeito laxante para eliminar o mecónio (primeiras fezes).7-8

 

Leite de Transição

O leite de transição faz a ligação entre o colostro e o leite maduro, ocorre no quinto dia após o parto e a sua cor é acinzentada e de aspeto aguado. É o que as mamãs referem como “descida do leite”, o peito fica cheio e pesado, causando algum desconforto.8

Com o crescimento do bebé as necessidades vão começar a ser outras, o lactente precisa de outros nutrientes e em maior quantidade, o que faz com que a produção de leite aumente significativamente neste período.

 

Leite Maduro

O leite Maduro, rico em gorduras, hidratos de carbono e proteínas, é a evolução do leite de transição e ocorre 15 dias após o parto. Mais uma vez a produção de leite vai aumentar consoante a necessidade de alimentação do seu bebé, o aspecto também se modifica tornando-se mais denso e branco.2

 

Leite Materno ou Leite Artificial

O momento em que o bebé chega a casa é um dos eventos mais felizes da vida dos pais. É a altura de explorar as possibilidades e de tanto os familiares como bebé se adaptarem.

Engane-se quem pensa que é um conto de fadas no que toca ao tópico “leite materno ou leite artificial”, há sempre opiniões distintas e dedos a apontar, mas saiba que está tudo bem, tem a informação ao seu dispor e agora é uma questão de optar pelo que é melhor para a sua dinâmica familiar.

A decisão sobre a forma como vai alimentar o seu bebé é das mais importantes a tomar, pode optar por dar leite materno ou leite artificial. Como já ficou a perceber as vantagens do leite materno são muitas, todavia não fique a pensar que a forte relação entre mãe e filho faz-se exclusivamente com a alimentação porque não é verdade, essa ligação está na interação e nos momentos de conforto e amor.

Para as mães que não querem ou não conseguem amamentar de forma natural, existe o leite artificial em pó, desenvolvido com o propósito de substituir o leite materno contendo um valor nutritivo semelhante.

 Se o seu filho tem alguma intolerância alimentar não se preocupe, existem diferentes fórmulas adequadas à fase de crescimento do bebé, para além de também terem em conta as necessidades especiais do seu filho (por exemplo-Alergias, Obstipações). 

Caso tenha dúvidas consulte o seu médico de família, ele vai aconselha-lo o leite artificial adequado as necessidades do seu filho e o método de preparação do mesmo.

 

Como Amamentar?

Escolhida a forma como vai amamentar agora é a hora de passar à ação. As recém mamãs ao princípio têm alguma dificuldade em saber como posicionar-se quando vão amamentar e se o bebé está a agarrar bem a maminha. A pega correta é aquela em que a boca do bebé vai em direção à mama ficando com o mamilo no fundo da boca, na área do palato. A boca do bebé deve estar completamente aberta, com o lábio superior completamente para cima e o lábio inferior virado para fora. Tem de haver mais aréola visível em cima do que em baixo e o queixo tem de tocar na mama.8

Para que corra bem, coloque-se numa posição confortável, pode ser deitada ou sentada. Para dar de mamar sentada, coloque o bebé ao seu colo, por cima de uma almofada, para que esteja a altura do seu peito, com a cara virada para a mama. Coloque a mão em forma de ‘C’ enquanto agarra no peito e, com cuidado, leve a cabeça do bebé ao seu peito. A cabeça e o tronco do bebé devem estar alinhados. Quando o bebé abocanhar a mama, numa pega bem-feita, o bebé vai conseguir fazer movimentos peristálticos, grandes e espaçados, com a língua contra a superfície da mama.2

Para parar a amamentação sem se magoar, deve colocar o dedo mindinho no canto da boca do bebé.2

Como amamentar

Almofada de Amamentação

Como verificou, a posição em que a progenitora amamenta é muito importante para o conforto de ambos (tanto da mãe como do filho). Antes de colocar o bebé no peito procure adotar uma posição favorável e um ambiente tranquilo, sem barulho, de forma a deixar o recém-nascido calmo e predisposto a mamar sem distrações.

As almofadas de amamentação são uma ótima ajuda neste processo. O uso da almofada começa na fase pré-natal, em que a barriguinha da mãe “já pesa” e a mãe não tem posição para estar confortável. A almofada auxilia envolvendo o corpo numa posição cómoda e estável. Quando o bebé nasce a almofada ganha outra função assiste a mãe na hora de amamentar colocando o bebé numa posição de segurança.11

 

Amamentação - Quanto tempo em cada mama?

A amamentação do recém-nascido deve durar em média 15 a 30 minutos. Existem bebés que mamam mais rápido que outros, por isso quando o recém-nascido revelar desinteresse - brincar, adormecer, afastar-se do peito, é porque está cheio e a alimentação deve terminar.

É aconselhado às mães que estão a amamentar oferecerem as duas mamas para o lactente mamar. Quando o recém-nascido está a mamar, a mama vai aos poucos ficando menos inchada e sem leite, assim que isso aconteça ofereça o outro lado.

Ambas as mamas têm de ser estimuladas para produzirem leite, se só estimular um lado eventualmente o outro vai deixar de produzir leite, ficando com um peito desproporcionado.2

Posições de amamentação

Horário de Amamentação

Ao início é normal o bebé ter fome de hora a hora ou até em intervalos menores. A capacidade gástrica é pouca e só vai aumentando com o tempo e crescimento do recém-nascido. Mais tarde, com o desenvolvimento, o bebé vai conseguir armazenar mais comida e consequentemente passará mais tempo sem pedir mama.

O horário de amamentação é importante para criar rotinas, apesar de numa fase inicial seja aconselhada a amamentação livre e sem restrições de duração (a qualquer hora que o bebé tenha fome).Contudo, um horário ou alguma periocidade numa fase mais desenvolta é recomendada para que dê alguma liberdade à mãe. O ideal é que o bebé mame de 3 em 3 horas ou de 4 em 4 horas até aos 6 meses de idade.

 

Benefícios da Amamentação

As vantagens do leite materno para os lactentes são inúmeras, este é o alimento mais aconselhado pelos médicos por ser o mais completo e conter os macro e micronutrientes específicos para o seu bebé e para a fase de crescimento em que ele se encontra. Para além disso está sempre pronto, é de fácil digestão, é económico e encontrar-se sempre à temperatura ideal.

O leite materno tem como vantagens para a criança:

  • Fortalecer o sistema imunológico do bebé protegendo-o contra infeções4;
  • Resguarda a criança de problemas como obesidade e diabetes em adulto9;
  • Previne infecções gastrointestinais, respiratórias e urinárias4;
  • Protege o bebé de alergias e otites10;
  • Facilita a digestão e o intestino do lactente2;
  • Desenvolvimento do cérebro do bebé5;

Para a mãe, a amamentação também traz benefícios3, 9:

  • Previne hemorragias no período pós parto;
  • Reduz o risco de cancro da mama, cancro do ovário e osteoporose
  • Ajuda voltar ao peso habitual;
  • Menor probabilidade de doenças cardíacas, Diabetes e Artrite reumatóide;
  • Previne o enfraquecimento uterino;
Benefícios da amamentação

Alimentação na Amamentação

Amamentar o bebé tem inúmeras vantagens tanto para a criança como para a mãe, contudo requer esforço e dedicação por parte da progenitora, que passa a maior parte do seu tempo dedicada ao lactente.12 Como tal, a boa alimentação e o descanso da mãe são essenciais nesta fase para combater sentimentos negativos e passar para o bebé conforto e uma boa nutrição.

Hábitos de vida a ter em conta quando está a amamentar2:

  • Consumir 6 a 7 refeições por dia, com intervalos de 3 em 3 horas;
  • Beber 2 litros de água por dia;
  • Evitar comidas salgadas, açucaradas ou com muita gordura;
  • Evitar o consumo de álcool, para não prejudicar o sistema renal do bebé;
  • Não fumar enquanto amamenta nem junto do seu bebé após o período de amamentação;
  • Exercícios físicos moderados;
  • Opte por não automedicar-se, procure sempre o aconselhamento médico.
  • Não inicie uma dieta restrita, este não é o momento para pensar nos quilinhos a mais, até porque com a amamentação vai perder esse peso naturalmente. Foque-se no seu bebé e em si, vocês são as coisas mais importantes neste momento.

 


 

Referências:

1. American Academy of Pediatrics (2009) Transitional Milk and Mature Milk, healthychildren. Disponível em: https://www.healthychildren.org/English/ages-stages/baby/breastfeeding/Pages/Transitional-Milk-and-Mature-Milk.aspx (Acedido: 15 de Outubro de 2019).

2. Bento, A. e Real, H. (2010) Aleitamento Materno: promover saúde, Associação Portuguesa dos Nutricionistas. Associação Portuguesa dos Nutricionistas.

3. Castro, R. (2013) Perceção das mães sobre as práticas dos enfermeiros na promoção do aleitamento materno, Scientific Electronic Library Online. Instituto Politécnico de Viseu.

4. Dias, L. et al. (2019) «Amamentação: Influência familiar e a importância das políticas públicas de aleitamento materno», Saúde em Foco, (11), pp. 634–646.

5. F Guiné, R. e Luísa Gomes, A. (2015) A Nutrição na Lactação Humana. ResearchGate.

6. Hernandes, T. A. et al. (2017) «Significado e dificuldades da amamentação: Representação social das mães», Revista Psicologia, Diversidade e Saúde. Escola Bahiana de Medicina e Saude Publica, 6(4), p. 247.

7. Levy, L. e Bértolo, H. (2012) Aleitamento Materno, UNICEF. Disponível em: https://unicef.pt/media/1581/6-manual-do-aleitamento-materno.pdf (Acedido: 15 de Outubro de 2019).

8. Lucas, F. (2014) Aleitamento Materno : Posicionamento E Pega Adequada Do Recém-Nascido, NesCon.

9. Pereira, A. (2005) «Aleitamento Materno: Importância da Amamentação para a fala.», Revista da Faculdade de Ciências da Saúde, pp. 7–20. Disponível em: http://www.aleitamento.org.br/ (Acedido: 15 de Outubro de 2019).

10. Pinho, M. (2013) Motivação para a Amamentação: Estudo de fatores predisponentes. Escola Superior de Enfermagem.

11. Quaresma, E. (2019) Almofada de Amamentação: A escolha, os benefícios e como a utilizar, Pumpkin. Disponível em: https://pumpkin.pt/bebes/alimentacao-bebe/amamentacao/almofada-de-amamentacao/ (Acedido: 15 de Outubro de 2019).

12. Rufo, S. (2012) Sucesso na prática do aleitamento materno. Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

13. Dos Santos, E. M. et al. (2019) «Breastfeeding assessment in children up to 2 years of age assisted in primary health care of Recife in the state of Pernambuco, Brazil», Ciencia e Saude Coletiva, 24(3), pp. 1211–1222.

14. Tomada, I. e Nazareth, M. (2016) Vantagens do aleitamento materno, Associação Portuguesa dos Nutricionistas. Disponível em: https://www.apn.org.pt (Acedido: 15 de Outubro de 2019).

autor: Bolas de Sabão

0 comentários

Gostou deste artigo?

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *
O seu comentário ficará visível após aprovação.

Saiba mais sobre:

Acompanhe todas as novidades! Subscreva a nossa newsletter

Subscrever Newsletter