O quadro de júbilo da maternidade pode ser manchado por alguns desafios e um deles dá pelo nome de mastite na amamentação: uma inflamação da mama que pode ser acompanhada por infeção. 

Principais sintomas da mastite na amamentação? Dor, vermelhidão, inchaço e desconforto, particularmente na hora de amamentar o recém-nascido e durante as primeiras semanas após o parto. 

Porém, se não tiver um tratamento atempado (do esvaziamento da mama à toma de antibiótico), a mastite na amamentação pode provocar uma infeção grave e até a formação de abscessos.

Continue a ler para conhecer as causas e sintomas e perceber como tratar e prevenir a mastite na amamentação.

 

O que é mastite?

A mastite é uma inflamação do tecido mamário, muitas vezes acompanhada de infeção. Embora seja uma condição benigna, pode causar dor e inchaço.

Afeta mais frequentemente mulheres nos primeiros meses de amamentação e apenas numa das mamas. Daí o nome mastite na amamentação.

No entanto, pode surgir em ambas as mamas e também em mulheres que não estão a amamentar e até em homens, muito devido à entrada de bactérias na mama, em caso de ferimentos no mamilo, por exemplo.

 

O que é mastite na amamentação?

Mastite na amamentação ou mastite puerperal é o tipo de mastite mais comum devido ao acúmulo de leite na mama que favorece a multiplicação de bactérias.

A mastite na amamentação é então uma inflamação das glândulas mamárias que, como o nome indica, afeta mulheres que estão a amamentar, dificultando bastante a tarefa de alimentar o bebé.

Estima-se que 10 a 20% das mulheres desenvolvam pelo menos um episódio de mastite na amamentação, regra geral nos três primeiros meses. 

Já a mastite na gravidez ou mastite fora da amamentação não é tão comum e exige exame clínico fundamental para orientar o melhor tratamento possível.

 

Causas da mastite na amamentação

A acumulação de leite (estase láctea) é a principal causa da mastite na amamentação. 

A mastite na amamentação pode ocorrer por alguma obstrução de um dos ductos da mama ou por um incompleto esvaziamento dos seios pelo bebé durante a amamentação, levando ao bloqueio dos canais que transportam o leite e provocando uma inflamação. 

Porém, existem outros fatores de risco da mastite puerperal ou mastite na amamentação, que podem existir em associação. São eles:

  • Mamilos e pele com fissuras. Estas favorecem a entrada das bactérias da pele dentro do tecido mamário;
  • Danos nos mamilos causados, por exemplo, por piercings, implantes mamários ou problemas dermatológicos como eczema;
  • Sistema imunitário fragilizado devido a problemas de saúde como diabetes;
  • Soutien muito justo ou muita pressão no peito devido ao uso de cinto de segurança, entre outros motivos;
  • Carregamento de pesos que podem inibir o fluxo de leite;
  • Técnica de amamentação inadequada e utilização de apenas uma posição para amamentar;
  • Stress e cansaço, má nutrição e tabagismo são outras causas da mastite na amamentação.

 

Sintomas da mastite na amamentação

O quadro de mastite na amamentação costuma começar de forma branda, com o endurecimento da mama que indica estase láctea. Os sintomas da mastite na amamentação incluem:

  • Vermelhidão, inchaço, endurecimento e dor na mama;
  • Dor ou sensação de ardor durante a amamentação;
  • Pele quente ao toque;
  • Corrimento amarelo do mamilo;
  • Sensação de mal-estar, fadiga, dores no corpo, arrepios e febre.

Sem um tratamento adequado (ou esvaziamento adequado), a mastite na amamentação pode dar origem a uma infeção e causar sintomas como a febre, arrepios e prostração, muito idênticos aos da gripe.

Mastite na Amamentação

Quando consultar um médico?

Quando detetar os sinais de alarme da mastite na amamentação, tais como vermelhidão e dor na mama, corrimento do mamilo, leite materno com pus ou sangue, deve consultar um médico.

Se já o fez, mas os sintomas de mastite na amamentação não melhoraram nem após 48 horas de toma de antibiótico, deve regressar para uma consulta de reavaliação. 

Lembre-se que se a condição não for tratada corretamente, a mastite na amamentação pode levar à formação de abscessos e até causar septicemia.

 

Como tratar a mastite na amamentação?

Se for detetada numa fase precoce, a mastite na amamentação pode ser combatida sem tratamento médico. Como? Basta esvaziar a mama afetada após a mamada, manualmente ou com a ajuda de uma bomba. 

A par disso, deve massajar o peito com movimentos circulares e aplicar compressas frias para aliviar as dores depois da amamentação (compressas mornas antes de retirar o leite), usar um soutien com um bom suporte, mas não muito justo, repousar e beber muitos líquidos.

Em casos mais complicados de mastite na amamentação, convém consultar um médico que possivelmente vai prescrever um antibiótico para combater a possível infeção (que não prejudique o bebé) e anti-inflamatórios e analgésicos para aliviar a dor e reduzir a inflamação na mama. 

Desta forma, a infeção provocada pela mastite na amamentação desaparece entre uma a três semanas, sendo que, após a resolução do problema, é preciso rever as técnicas para dar de mamar ao bebé, a fim de minimizar as hipóteses de ocorrer novo episódio de mastite na amamentação.

O leite da mama inflamada não faz mal ao bebé?

Não se preocupe por estar a amamentar com uma mastite puerperal. 

O leite materno é rico em anticorpos e substâncias antibacterianas que vão proteger o seu filho, além de que a acidez natural do estômago do bebé acaba por matar as bactérias e toxinas ingeridas. 

Por outro lado, se suspender o aleitamento, só vai favorecer o ingurgitamento da mama e abrir a porta à proliferação das bactérias. 
Ainda assim, se a mama deitar pus, pare de amamentar até indicação em contrário do seu médico.

 

Como prevenir a mastite na amamentação?

Felizmente existem algumas técnicas ou boas práticas que ajudam a prevenir a mastite na amamentação e que vale sempre a pena pôr em prática durante a fase de aleitamento:

  • Certificar-se de que o bebé pega corretamente na mama;
  • Amamentar o bebé de um dos lados até que a mama esteja vazia antes de trocar para a outra ou se o bebé mamou na mama esquerda, na próxima mamada começar pela mama direita;
  • Ir trocando a posição de amamentação de modo que todas as zonas da mama fiquem completamente vazias;
  • Evitar a compressão excessiva da mama com os dedos;
  • Deixar a mama arejar, no final da amamentação;
  • Tratar o ingurgitamento e os mamilos gretados atempadamente;
  • Não vestir soutiens ou roupas que comprimam a mama;
  • Não usar discos de amamentação que mantenham os mamilos húmidos;
  • Se notar sinais de estase láctea ou acumulação de leite, fazer massagens e aplicar compressas quentes para garantir que o bebé consegue esvaziar a mama.

Tem outras dicas para prevenir ou tratar a mastite na amamentação? Partilhe-as com a comunidade Bolas de Sabão!

autor: Bolas de Sabão

0 comentários

Gostou deste artigo?

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *
O seu comentário ficará visível após aprovação.

Saiba mais sobre:

Acompanhe todas as novidades! Subscreva a nossa newsletter

Subscrever Newsletter