Durante nove meses, por vezes até mais do que isso, são muitas as mães e os pais que planeiam e idealizam o nascimento dos seus filhos, ao minuto.

Por isso mesmo, quando são surpreendidos por um bebé prematuro, é natural sentirem alguma ansiedade, algum nervosismo e, por vezes, até choque. 

Com um bebé prematuro, tudo se altera, de repente. É preciso lidar com uma situação absolutamente inesperada. Contudo, o primeiro passo está dado: informar-se acerca do que significa uma criança nascer prematura e o que é que isso pode implicar. 

Antes de mais, importa sublinhar que Portugal é um dos países da Europa com uma das taxas mais altas de prematuridade: 8%.

Os dados são de 2019 e indicam-nos que, todos os dias, nascem cerca de 20 bebés prematuros em Portugal. 

Quando um bebé prematuro nasce, é natural que os pequenos precisem de cuidados redobrados e uma atenção ativa. É também por isso que um bebé prematuro é colocado numa incubadora, cujos efeitos benéficos abordamos mais em baixo. 

 

O que é um bebé prematuro?

Um bebé prematuro é um bebé que nasceu antes do tempo considerado normal, ou seja, é uma criança que nasce antes das 37 semanas.

Normalmente, o período de gravidez oscila algures entre as 37 e as 42 semanas de gestação. Se qualquer bebé, quando nasce, é um ser humano frágil, a verdade é que um bebé prematuro se caracteriza ainda mais pela sua fragilidade e vulnerabilidade extrema ao ambiente que os rodeia.

Daí ser necessário colocar o bebé na incubadora.

Ao mesmo tempo, em conjunto com a surpresa de um bebé prematuro, é normal pais e mães sentirem algum desassossego, não só pelos cuidados intensivos necessários, mas também pela angústia que se cria ao adiarem os primeiros toques, os primeiros colos e a derradeira viagem de volta para casa.

Ao lidar com a situação, é importante que reconheça este tipo de sentimentos, procurando encontrar algum conforto na ideia de que não estão sozinhos e de que o que realmente importa é a saúde do bebé.

Sempre que necessário, procure apoio junto dos seus familiares, amigos e equipa médica. 

Acima de tudo, a sobrevivência de um bebé prematuro depende da idade gestacional e do peso com que nasceu, a par de eventuais problemas de saúde relacionados. É de acordo com estes dados que a classificação da prematuridade é feita.

 

Classificações da prematuridade

As classificações de prematuridade são feitas de acordo com o período de gestação com que a criança nasceu. Ou seja, o bebé prematuro é classificado de acordo com a sua idade gestacional e o peso com que nasceu:

  • Entre as 34 e as 36 semanas: pré-termo tardio ou limiar;
  • Entre as 32 e as 34 semanas: prematuridade moderada;
  • Entre as 28 e as 32 semanas: grande prematuridade;
  • Antes das 28 semanas: prematuridade extrema.

Os casos de prematuridade extrema são os casos considerados mais graves, na medida em que a criança apresenta naturalmente mais riscos de saúde. Do mesmo modo, a prematuridade é também classificada de acordo com o peso à nascença:

  • Entre 1,5 kg e 2,5 kg: bebé prematuro de baixo peso;
  • Entre 1 kg e 1,5 kg: bebé prematuro de muito baixo peso;
  • Menos de 1 kg: bebé prematuro de extremo baixo peso.

 

Causas da prematuridade

Em cerca de 50% dos casos de um nascimento de um bebé prematuro, as causas são desconhecidas. Mesmo assim, conhecem-se alguns fatores de risco que podem influenciar a prematuridade, tais como algumas infeções (urinárias, ginecológicas, etc.), a hipertensão arterial ou a diabetes

Normalmente, estas condições funcionam também como um sinal de alerta para os médicos que, assim, podem acompanhar o caso com mais atenção, dando também nota da possibilidade de um bebé prematuro. Outras causas associadas são:

  • Um historial de infertilidade ou prematuridade;
  • A idade materna ser menor que 17 anos ou maior do que 35 anos;
  • Restrição ao crescimento fetal (malformação fetal);
  • A procriação medicamente assistida;
  • A disfunção dos vasos sanguíneos (pré-eclâmpsia);
  • O descolamento da placenta;
  • Gemelaridade (mais do que um feto no útero);

A par destes, existem ainda outros fatores embora, como vimos, em mais de metade dos casos as causas para o nascimento de um bebé prematuro sejam desconhecidas.

Pelo contrário, as características de um bebé prematuro estão bem identificadas.

Bebé Prematuro

Características de um Bebé Prematuro

Muitas vezes se considera que um bebé prematuro é apenas uma criança que nasceu mais pequena e com um peso menor. Contudo, isso não é bem assim. Um bebé prematuro nasce com características próprias da prematuridade, além do seu tamanho e do seu peso diminutos.

O cabelo de um bebé prematuro é escasso e as suas orelhas são mais moles e finas. A pele da criança, brilhante e rosada, está também coberta de uma camada de penugem também ela fina, chamada “lanugo”.

Por apresentar uma pele mais fina, as veias de um bebé prematuro são mais visíveis e os seus músculos são, naturalmente, mais fracos do que o desejado, reduzindo a sua atividade física (movimento dos braços e pernas) e influenciando os reflexos de sucção, considerados fracos ou inexistentes.

A pouca gordura do corpo é também uma das características do bebé prematuro, a par de uma respiração irregular e de um tamanho de cabeça desproporcional ao resto do corpo.

Por tudo isto, todos os bebés prematuros precisam de cuidados especiais.

 

Cuidados especiais a ter com Bebés Prematuros

Quando um bebé prematuro nasce, o médico responsável trata de realizar vários exames que permitem avaliar a saúde da criança e reduzir o risco de complicações, avaliando igualmente a possibilidade de sequelas derivadas da prematuridade.

Cada bebé prematuro é tratado como um caso clínico único e, por isso, os prognósticos são muito específicos e imprevisíveis.

Cada caso é um caso, mas, mesmo assim, o mais provável é o bebé prematuro ser colocado numa incubadora durante um determinado período de tempo. Para muitos, a incubadora pode parecer um equipamento demasiado assustador, mas devemos entender este e outro tipo de equipamentos como uma medida segura e promotora de um espaço controlado.

Uma incubadora garante a temperatura ideal para o bebé prematuro, bem como uma quantidade de oxigénio tão perfeita quanto o equilíbrio entre a luz e a humidade.

Além disso, as incubadoras são equipamentos tecnologicamente avançados que permitem o controlo dos sinais vitais do recém-nascido e a proteção contra potenciais ameaças externas à saúde da criança.

O tempo que o recém-nascido permanece na incubadora depende sempre do caso específico, mas a presença de pai e mãe ao longo do processo é essencial.

Mediante o cumprimento das indicações da equipa médica, é possível visitar o bebé prematuro ao longo do tempo, aumentando o contacto e a interação à medida que os dias passam. Alguns estudos indicam mesmo que essa presença não só contribui para o bem-estar geral da criança, como para a sua recuperação. 

Depois de receberem alta, os bebés prematuros são devidamente acompanhados pela área de pediatria e o tão ansiado momento de regresso a casa chega finalmente.

 


 

Referências:

1. Médis
2. Hospital Lusíadas
3. CUF

autor: Bolas de Sabão

0 comentários

Gostou deste artigo?

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *
O seu comentário ficará visível após aprovação.

Saiba mais sobre:

Acompanhe todas as novidades! Subscreva a nossa newsletter

Subscrever Newsletter