O aparecimento de hemorróidas na gravidez é um problema com o qual a maioria das mulheres se debate devido às alterações hormonais e ao aumento da pressão abdominal. 

 

O que são hemorróidas?

As hemorróidas são estruturas vasculares que dilatam, habitualmente com mais incidência durante a gestação, por consequência dos frequentes períodos de obstipação, do aumento do volume sanguíneo (+25 a 40%), do alargamento do útero, da lassidão do pavimento pélvico e do ambiente hormonal.

Estima-se que 8 a 24% das mulheres durante a gestação sofra de doença hemorroidária.6

Ilustração hemorróida externa e interna

As hemorróidas externas assemelham-se a varizes vermelhas e são visíveis na zona perianal, já as hemorróidas internas apresentam-se dentro do ânus e causam sintomas mais agudos.5

A manifestação mais comum das hemorróidas é o sangramento retal indolor, associado à obstipação.6

Hemorróidas na gravidez e no parto

A gravidez e a fase do puerpério (3 meses depois do parto) predispõem a mulher a ter hemorróidas sintomáticas. Apesar das mesmas poderem aparecer em qualquer momento da gravidez, são mais comuns no terceiro trimestre devido ao aumento de peso, à pressão do útero na região pélvica, ao aumento do volume sanguíneo e à obstipação recorrente.1

Os sintomas típicos de hemorróidas na gravidez são edema, ardor, comichão e sangramento ao evacuar.6 O sangue é habitualmente vermelho vivo.4 Também é relatado pelas pacientes uma sensação de evacuação incompleta. A dor sentida, geralmente não é causada pelas próprias hemorróidas, mas sim por fissuras anais e/ou abcessos.

Para a maioria das grávidas os sintomas passam após o parto, não sendo necessário recorrer a procedimentos cirúrgicos ou terapêuticas de maior intervenção.6

 

Causas das hemorróidas

As hemorróidas são caraterizadas pela dilatação da estrutura vascular, causando desconforto e sangramento do ânus. Afeta também os movimentos intestinais, tornando-os dolorosos.8

Estes sintomas são o resultado de vários fatores:

  • Aumento do volume sanguíneo;
  • Longos períodos na retrete;
  • Obstipação ou diarreia recorrente;
  • Fraca ingestão de líquidos e uma dieta pobre em fibras;
  • Obesidade;

 

Sintomas de Hemorróidas

Os sintomas das hemorróidas são, numa primeira instância, leves e transitórios, pautados por sangramento intermitente do ânus e por dor ligeira. Dependendo da intensidade da dor, a qualidade de vida pode ficar condicionada, variando de ligeiro incómodo a impedimento real de lidar com as tarefas do dia a dia.

A dor geralmente não é causada pelas próprias hemorróidas, a menos que ocorram complicações como trombose ou estrangulamento da hemorróida. 

 

Como prevenir Hemorróidas? 

Se tem indícios de hemorróidas, como comichão ou ardor na zona anal, deve optar por  pedir ajuda profissional médica e confirmar o diagnostico. O seu médico vai ajuda-lo a antecipar sintomas mais graves. 

A prevenção passa por: 

  • Reeducação alimentar, aumentado a ingestão de fibras e líquidos; 
  • Toma de analgésicos anti-hemorróidas (com indicação médica);
  • Utilização de laxantes, quando há um quadro de obstipação recorrente (com indicação médica); 
  • Esclarecimento dos hábitos de higiene mais adequados à problemática. É recomendada a limpeza da região anal com toalhitas húmidas ou água, de forma a não irritar a zona; 
  • Sugestões naturais para o alívio da dor. Por exemplo, banhos de água morna;
  • Evitar passar longos períodos sentada;
  • Evitar esforços abdominais; 

Para a maior parte das grávidas as hemorróidas desaparecem espontaneamente após o parto, pelo que qualquer tratamento mais específico é geralmente adiado para depois do nascimento. No entanto, procure esclarecer todas as dúvidas junto de um profissional de saúde.7

Tratamento para Hemorróidas

Tratamento para hemorróidas

Para que o diagnóstico de doença hemorroidária seja confirmado procure ajuda médica. O médico vai sugerir a melhor terapêutica conforme o grau da hemorróida e a sua condição de saúde.

O tratamento durante a gravidez é direcionado principalmente para a atenuação dos sintomas e controlo da dor. Contudo, o procedimento passa, numa primeira instância, por perceber o grau de gravidade dos sintomas. As hemorróidas são classificadas de acordo com dois fatores, sendo externas ou internas e segundo o seu grau (I, II, III, IV).(Lohsiriwat, 2012)4;6

Classificação de Goligher:

  • Hemorróidas de grau I: não prolapsam através do ânus;
  • Hemorróidas de grau II: prolapsam através do ânus e a sua redução (ou seja, o retorno à sua posição original) é espontânea;
  • Hemorróidas de grau III: prolapsam através do ânus e a sua redução só é conseguida manualmente;
  • Hemorróidas de grau IV: estão prolapsadas através do ânus e a sua redução não é possível.

O tratamento precoce das hemorróidas evita complicações graves como inflamação, trombose e prolapso, para além de diminuir o desconforto perlongado e aumentar a taxa de sucesso da terapêutica. Como tal, é importante a grávida estar atenta a todos os sintomas e procurar um profissional de saúde quando experienciar dor, comichão, ardor ou outro indício relevante e inerente à doença.

Caso os sintomas sejam de maior gravidade o tratamento deve passar por terapêuticas mais agressivas, como escleroterapia, crioterapia ou cirurgia, dependendo do grau de emergência. 

A tabela a baixo explicita o tratamento mais adequado a realizar de acordo com o grau hemorrágico da paciente.

Grau de hemorróidas

Tratamento não- cirúrgico

  • Creme Retal: É a primeira forma de tratamento e alívio das dores, de doenças anais. A terapêutica passa por aliviar a inflamação e os sintomas através de princípios ativos como tribenosídeo, lidocaína, cloridrato de lidocaína, entre outros.2 Tenha atenção as pomadas que contêm esteroides, estas quando utilizadas por um longo período podem causar ulceração da região perianal.2 Existem no mercado pomadas que poderão ser utilizadas por grávidas ou mulheres a amamentar. Informe-se junto do seu médico.
     
  • Laqueação elástica: A ligadura elástica é um procedimento em que é colocado um elástico à volta da hemorróida, de forma a cortar o fluxo sanguíneo. No espaço de uma semana a hemorróida encolhe e cai, sendo eliminada pelo ânus;
     
  • Esclerose hemorroidária: É injetado um substância esclerosante na hemorróida, que reduz o seu tamanho;
     
  • Fotocoagulação por infravermelhos: A radiação pulsada pelos infravermelhos queima a hemorróida, cortando o fluxo sanguíneo e diminuindo a mesma;
     
  • Electrocoagulação: A hemorróida é atingida por uma corrente eléctrica que a queima, cortando o fluxo sanguíneo. Começa a formar-se tecido cicatricial e a hemorróida diminui;

 

Tratamento cirúrgicos

Os tratamentos cirúrgicos só são considerados quando já foram realizados procedimentos menos evasivos, que não obtiveram resultados positivos. As atuações cirúrgicas só são executadas entre 10-15% dos casos.

Hemorroidectomia e a mucosectomia circular anorretal: Remoção cirúrgica das hemorróidas. Continua a ser o tratamento mais eficaz para conseguir uma cura a longo prazo.

Na hemorroidectomia é removido o excesso de tecido que causa a hemorragia e o prolapso.

 


 

Referências:

1. Avsar, A. F. e Keskin, H. L. (2010) Haemorrhoids during pregnancy, Journal of Obstetrics and Gynaecology, pp. 231–237. 
2. Como tratar Hemorróidas (2018) Jaba Recordati. Disponível em: https://www.jaba-recordati.pt/procto-glyvenol/como-tratar-hemorroida (Acedido: 3 de Dezembro de 2019).
3. Definition & Facts of Hemorrhoids (2016) National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Disponível em: https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/hemorrhoids/definition-facts (Acedido: 3 de Dezembro de 2019).
4. Fernandes, V. e Camacho, A. G. (2009) Doença Hemorroidária, Revista Portuguesa de Coloproctologia, pp. 36–43.
5. Hemorroidas (2017) Biblioteca Virtual em Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2460-hemorroidas (Acedido: 2 de Dezembro de 2019).
6. Lohsiriwat, V. (2012) Hemorrhoids: From basic pathophysiology to clinical management, World Journal of Gastroenterology, pp. 2009–2017. 
7. Quijano, C. E. e Abalos, E. (2005) Conservative management of symptomatic and/or complicated haemorrhoids in pregnancy and the puerperium. Cochrane Database of Systematic Reviews. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16034920 (Acedido: 29 de Novembro de 2019).
8. Staroselsky, A. et al. (2008) Hemorrhoids in pregnancy, Canadian Family Physician. Canadien: le Médecin de famille canadien, pp. 189–190.
9. Treatment of Hemorrhoids (2016) National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Disponível em: https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/hemorrhoids/treatment (Acedido: 2 de Dezembro de 2019).

autor: Bolas de Sabão

0 comentários

Gostou deste artigo?

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *
O seu comentário ficará visível após aprovação.

Saiba mais sobre:

Acompanhe todas as novidades! Subscreva a nossa newsletter

Subscrever Newsletter