Desmame 23.07.2020

Desmame - deixar de amamentar, as dúvidas de todas as mães.

 

A amamentação é uma das fases mais importantes da vida do seu filho. É fundamental a aplicação de políticas de incentivo à amamentação por trazerem vantagens para o desenvolvimento afetivo, cognitivo e físico do bebé, para além de cimentarem sentimentos de satisfação entre a mãe e o recém-nascido.1

A amamentação é tao relevante quanto à altura certa para iniciar o desmame. É essencial a mãe saber quando começar o desmame e como faze-lo, para que o processo seja natural, para que não haja um choque para o bebé e para evitar complicações na saúde da mãe, que ao deixar de amamentar bruscamente pode ficar sujeita a uma inflamação nas glândulas mamárias.2

 

O que é o desmame?

O desmame é o processo que põe fim à amamentação exclusiva. O método caracteriza-se por ser gradual e de extrema importância pelas repercussões que tem na relação entre a mãe e o bebé.2

Está na hora de provar novos alimentos!

Bebé a provar novos alimentos

Quando deixar de amamentar?

O desmame é caracterizado pela introdução de alimentos até à data nunca experimentados pela criança. Denomina-se de “período de desmame” a janela de tempo entre a introdução de novos alimentos é a supressão total do leite materno.

É aconselhado a mãe amamentar pelo menos até aos 6 meses de vida para benefício do crescimento da criança. A partir dos 6 meses com a entrada de novos alimentos na dieta do bebé, inicia-se o desmame.3

 

H2 Como fazer o desmame?         

Não existe nenhuma regra ou tempo predefinido para iniciar o desmame, alguns bebés vão faze-lo mais cedo, outros mais tarde. Geralmente o bebé mama exclusivamente até aos 6 meses de idade, que é quando se dá a introdução de novos alimentos na dieta.

A introdução de alimentos sólidos a partir dos seis meses é igualmente importante por razões de saúde, já que o leite materno geralmente deixa de satisfazer todas as necessidades nutricionais do bebé em crescimento. Ferro (presente, por exemplo, na carne), zinco, fibras e outros nutrientes têm de ser adicionados à alimentação do bebé através de alimentos sólidos.

O processo deve ser realizado naturalmente, a amamentação nunca deve ser interrompida abruptamente.

Processo de desmame do bebé

A decisão de iniciar o desmame é pessoal e depende de várias circunstâncias, sendo que alguns desmames são até definidos pela própria criança, que escolhe comer outros alimentos e gradualmente deixa de pedir para mamar (desmame natural). Quando é a mãe que toma a decisão de iniciar o desmame, o ideal é que este seja gradual e em alternância com os novos alimentos introduzidos na dieta- banana, kiwi.

Para que o processo seja mais fácil para si e para o seu filho, faça com que a alimentação continue a ser divertida e em família. Agora o pai também vai poder dar comida ao bebé. Se o seu bebé resistir à comida e pedir peito, tente distrai-lo com algum brinquedo ou alimento de que ele goste mais, se isso não resultar ofereça-lhe o peito.

 

Desmame diurno

O segredo para começar o desmame diurno é fazê-lo antecipadamente e devagar, para a criança não tomar consciência do que está a acontecer e sentir-se irritada ou ter tendência a procurar o peito da mãe.

 Inicie algumas técnicas para desmame:

  • Reduza gradualmente o número de vezes que amamenta durante o dia para que o bebé tenha possibilidade de ajustar-se à nova rotina;
  • Quando chegar a altura de dar comer ao seu filho, opte pelas papinhas e pelos sumos naturais;
  • Deixe outro membro da família dar-lhe comida;

 

Desmame noturno

O desmame noturno é mais fácil caso já tenha já sido iniciado o desmame diurno, no entanto temos sugestões para que o processo seja facilitado, na hipótese de ainda não o ter feito.

 

Como fazer o desmame noturno?

  • Se a criança estiver a dormir na cama consigo tente muda-la para o berço ou para outra cama4;
  • Se ela pedir para mamar, ofereça-lhe água ou outro tipo de alimentos de que ela goste;
  • Em vez de adormecer o seu filho a dar-lhe de mamar, leia-lhe uma história, ponha a tocar uma música relaxante ou dê-lhe miminhos;
  • Peça a outro familiar para adormecer a criança;

 

Desmame tardio

O desmame tardio define-se por uma amamentação natural que ultrapassa os doze meses de idade, ou seja, há uma amamentação perlongada por parte da progenitora.

Apesar de ser benéfico para a criança amamentar exclusivamente até aos 6 meses de idade, é igualmente importante iniciar o desmame por volta desta altura. O desmame tardio está associado à superprotecção materna, podendo trazer dificuldades na relação da criança com os outros, já que esta vai procurar mais a mãe e, para além disso, pode trazer outras consequências negativas, como a recusa de alimentos sólidos.3

 

Desmame precoce

As crianças que deixam de amamentar precocemente têm tendência a ter específicos problemas de saúde, como desnutrição, problemas intestinais, gastroenterites, infeções respiratórias, alergias, etc. Para as mães as consequências mais evidentes são perda da contraceção natural e, propensão para cancro da mama e dos ovários.2

O desmame precoce acontece quando o bebé deixa de amamentar antes dos 6 meses de idade e está associado a:5

  • Problemas de vínculo entre a mãe e o bebé;
  • Tipo de parto;
  • Idade materna;
  • Número de filhos;
  • Experiência com a maternidade;
  • Auxilio pós natal;
  • Escolaridade materna;
  • Trabalho materno;
  • Uso de chupeta;

O desmame não passa somente pela decisão autónoma dos pais, é também influenciado por fatores socioculturais e históricos, deixando assim de ser um ato instintivo biológico para passar a ser um comportamento social mutável.2

 


 

Referências:

1. Ferrari, A., Cherer Evandro e Piccinini, C. (2017) Aspectos Subjetivos da Amamentação e Desmame: Evidências em Três Casos, Psicologia: teoria e pesquisa, pp. 1–8.

2. Alvarenga, S. et al. (2017) Fatores que influenciam o desmame precoce, Aquichan. Universidad de La Sabana, 17(1), pp. 93–103.

3. Sampaio, M. A. et al. (2010) Psicodinâmica interativa mãe-criança e desmame, Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), pp. 613–621.

4. Ichisato, S. e Shimo, A. (2002) O desmame precoce através de recortes da história, Revista Latino-Americana de Enfermagem, 10(4), pp. 578–585. Disponível em: www.eerp.usp.br/rlaenf (Acedido: 18 de Dezembro de 2019).

5. Olívia, A. et al. (2008) Aleitamento materno: fatores que levam ao desmame precoce, Revista brasileira de enfermagem, pp. 1–5.

6. Weaning: How To (sem data) La Leche League International. Disponível em: https://www.llli.org/breastfeeding-info/weaning-how-to/ (Acedido: 17 de Dezembro de 2019).

autor: Bolas de Sabão

0 comentários

Gostou deste artigo?

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *
O seu comentário ficará visível após aprovação.

Saiba mais sobre:

Acompanhe todas as novidades! Subscreva a nossa newsletter

Subscrever Newsletter